Lenno Oliveira

Colunista

Diretor executivo na empresa Portal O Guia

Angical do Piauí sem bancos

O município de Angical do Piauí, com população de pouco menos de 7 mil habitantes e localizado a cerca de 140km de distância da capital, Teresina, convive com a falta de um banco para realização de operações financeiras há cerca de dois anos.

O Banco do Brasil na cidade fechou em 2018 após um assalto, algo comum nas cidades do interior do Estado. Mas o fato é que, desde esse período toda a população local tem que se deslocar para as cidades vizinhas para saques, pagamentos com valores que os correspondentes ou postos de pagamentos não aceitam, entre outras transações financeiras.

E claro, o que era ruim, com a chegada da pandemia do novo Coronavírus ficou ainda pior. Além dos riscos de acidentes e assaltos, a população que é obrigada a sair da sua cidade para um simples saque ou pagamento de uma conta, agora está exposta a mais um inimigo, esse agora invisível.

Com tanta dificuldade exposta a população da cidade espera até hoje pela reabertura do banco, ou a chegada de um novo que possa atender as suas necessidades.

A LUTA PELA VOLTA DO BANCO

Ainda em 2018, logo após o fechamento da agencia na cidade, o vereador Jordão (PT), ao lado do então secretário de administração do Estado, Franzé Silva – hoje deputado estadual – começaram uma luta pela reabertura da mesma, e há poucos dias a luta ganhou também a adesão do deputado estadual João Mádson e do Senador Marcelo Castro, iniciando inclusive um abaixo assinado na cidade para que fosse levado à diretoria geral da instituição em Brasília.

Uma luta e que de última hora ganha um “salvador da pátria”.

A gestão municipal, na tarde desta sexta-feira (29) publicou em suas redes sociais um comunicado onde afirma que a volta dos caixas eletrônicos que servirão para saques e depósitos na agência do Banco do Brasil na cidade estão em processo licitatório e devem ser concluídos em breve.

Um fato curioso e que chamou a atenção de toda a população é que, justo agora, após uma iniciativa de pessoas fora da política e com o apoio dos deputados Franzé e João Mádson e também do senador Marcelo Castro, é que a prefeitura resolve se manifestar. E claro, cansados de tanto sofrimento por esse motivo a publicação da gestão e da câmara municipal causou, mais uma vez, revolta na cidade.

Outra curiosidade é que o Banco do Brasil não costuma divulgar seus processos licitatórios, tampouco associar a sua imagem a publicações de prefeituras, câmaras e/ou políticos, e foi exatamente isso que aconteceu na cidade.

Com a certeza de que a vindo da atual gestão de Angical do Piauí não se pode confiar, as publicações foram denunciadas na ouvidoria do Banco do Brasil e uma campanha por parte dos moradores foi iniciada nos grupos de WhatsApp onde demonstram não acreditar mais nas falas da prefeita.

 

 

Comentários no Facebook